Atualmente, a cirurgia bariátrica vem sendo indicada como uma das opções de tratamento para a obesidade mórbida, ou seja, pessoas com índice de massa corporal (IMC) maior do que 40 Kg/m. Porém, algumas deficiências de nutrientes têm sido relatadas após este tipo de procedimento, o que pode potencialmente reduzir os benefícios que a cirurgia pode proporcionar.

As deficiências nutricionais podem estar associadas com a ingestão insuficiente de alimentos e o processo de digestão e absorção dos nutrientes. Após a cirurgia, deficiência de ferro, cálcio, vitamina D e B12, ácido fólico e zinco, são apontadas na maioria das pessoas. A deficiência de ferro pode se manifestar tanto logo após a cirurgia quanto 7 anos após o procedimento. Por isso, é importante que os níveis de ferro sejam monitorados regularmente nestes pacientes. Alguns estudos sugerem que a suplementação de vitamina C pode ajudar na deficiência de ferro por ajudar no processo de absorção do mesmo.

Existem também as chances destes pacientes desenvolverem déficits de cálcio e vitamina D, acompanhado de problemas ósseos.

A deficiência de vitamina B12 (também conhecida como cobalamina) pode ocorrer pela diminuição da secreção de ácido gástrico no estômago, que pode ocorrer após a cirurgia.

A falta de Vitamina B12 juntamente com a deficiência de ácido fólico pode ocasionar anemia. A deficiência de cálcio e vitamina D pode desencadear problemas ósseos. E, por fim, o ferro encontrado em baixos níveis caracteriza-se como anemia ferropriva (anemia causada por falta de ferro no organismo que geram sintomas como cansaço, desmaios, sono, tontura). Para repor o ferro necessário, é preciso 4 meses de uso de suplementos.

Algumas manifestações da deficiência de zinco incluem função imunológica prejudicada, alterações no paladar, problemas na cicatrização. Queda de cabelo também é comum após a cirurgia bariátrica e pode ser um indicativo da deficiência deste componente. Quase 50% dos pacientes apresentam diminuição dos níveis de zinco.

A utilização regular do suplemento nutricional tem sido defendida quando utilizada de forma correta: pelo menos cinco vezes por semana.

Portanto, a utilização de uma dosagem diária adequada de poli vitamínico mineral é uma forma de garantir o aporte nutricional adequado de micronutrientes para o bom funcionamento dos processos que ajudam na regulação de peso corporal.